Na remada alta com barra, ocorrerá ao acionamento dinâmico dos músculos deltoide, supraespinhal, trapézio superior, trapézio inferior, romboides, elevador da escapula, serrátil anterior, bíceps braquial, braquial e braquiorradial. Já os músculos elevador da escapula, trapézio superior, grupo eretores da espinha ou coluna, glúteo máximo, grupo isquiotibiais atuaram de forma estática ou isométrica para evitar a tendências de movimentos produzidas pela resistência.

Como executar de forma correta o exercício de remada da alta com barra?

Inicialmente, o indivíduo deverá produzir uma boa estabilização corporal. Para isso, será necessário realizar um afastamento lateral dos pés aproximadamente da largura dos ombros os dos quadris. Juntamente com o afastamento, deverá realizar uma leve flexão dos joelhos. Caso o indivíduo com esse afastamento e essa semiflexão dos joelhos ,não consiga realizar uma ótima estabilização corporal, o personal trainer ou professor de educação física que atua em salas de Treinamento Resistido com Pesos (TRP), poderá orientar que o mesmo venha  a realizar também um afastamento antero posterior. Realizado esse posicionamento dos membros inferiores, o indivíduo agora deverá realizar a “pegada” na barra.

Para isso, ele (indivíduo) deverá realizar uma flexão do quadril, projetando o seu corpo em direção a barra que estará no solo e então posicionar as mãos aproximadamente da largura dos ombros, em pegada pronada, ou seja, com a palma das mãos para baixo. Na sequência deverá realizar uma extensão do quadril, mantendo as curvaturas naturais e fisiológicas da coluna vertebral preservadas. Nesse momento as mãos que estarão sustentado a barra ficarão “encostadas” nas coxas, sendo esse o ponto inicial para a execução da remada alta com barra.

Após a realização de todo o procedimento descrito acima, o indivíduo estará apto para iniciar a execução do exercício. Portanto, iniciará com a fase concêntrica do movimento, onde realizará uma abdução glenoumeral, com concomitante flexão dos cotovelos e rotação superiores e lateral das escapulas, projetando a barra até um ponto próximo ao seu queixo. Em seguida, o indivíduo realizará a fase excêntrica que será composta por uma adução glenoumeral, com concomitante extensão dos cotovelos e rotação inferior e medial das escápulas.

A seguir no texto, será descrito quais as articulações e músculos dinamicamente envolvidos na execução da remada alta com barra. Porém, para ter um bom entendimento das articulações e músculos dinamicamente envolvidos é necessário entender para que direção e sentido encontra-se a resistência.

Em que direção e sentido encontra-se a resistência na remada alta com barra?

Como o exercício da análise de hoje é executado com pesos livres, ou seja, com barra mais anilhas, a resistência (peso da barra + anilhas) estará na direção vertical e no sentido de cima para baixo. Um ponto importante a salientar, é que essa resistência estará sendo acelerada pela força gravitacional, sendo de 9,81m/s². Agora diante do conhecimento da característica da resistência, podemos prosseguir no texto com a análise das articulações e músculos dinamicamente e estaticamente envolvidos na execução da remada alta com barra.

Quais as articulações e músculos dinamicamente envolvidos durante a execução a remada alta com barra?

O TRP caracteriza-se pela aplicação de resistências, sendo elas com barras, anilhas ou placas de pesos, contra o movimento de uma determinada articulação e consequentemente contra a ação de um determinado músculo ou grupo muscular. Diante dessa lógica, é possível produzir a treinabilidade de diferentes grupos musculares ou músculos. Na remada alta a resistência (peso da barra+ anilhas + força gravitacional) em virtude da sua direção e sentido, uma vez o indivíduo com a barra próxima ao seu queixo, gerará a tendência de produzir os movimentos de adução e rotação medial das escapulas, adução glenoumeral e extensão dos cotovelos. Porém, como você certamente já visualizou, esses movimentos não ficam apenas em tendências, pois eles efetivamente ocorrem e podem ser visualizados durante a fase excêntrica do exercício. Ou seja, durante essa fase o indivíduo produzirá uma contração excêntrica, recrutamento um número menor de unidades motoras, para permitir que a resistência o “vença”. Nessa fase da remada alta com barra o indivíduo produzir um acionamento em contração excêntrica dos músculos trapézio superior, trapézio inferior, levantador da escápula, romboides, e serrátil anterior, deltoides todos os feixes, supraespinhal, bíceps braquial, braquial, e braquiorradial.  Esses músculos serão acionados para realizar o freio excêntrico.

Por outro lado, para a realização da fase concêntrica do movimento o indivíduo necessitará vencer a resistência. Para isso, solicitará em contração concêntrica, os músculos deltoide todos os feixes, supraespinhal, trapézio superior, trapézio inferiores, levantador da escápula, romboides, serrátil anterior, bíceps braquial, braquial e braquiorradial. Esses músculos serão acionados para a realização dos movimentos de abdução glenoumeral, elevação e rotação lateral das escápulas e flexão dos cotovelos. Obviamente, o grau de participação dos músculos que atuam principalmente nos movimentos escapulares e no movimento dos cotovelos, dependerá da técnica de execução do indivíduo. Essa análise cinesiológica descrita acima no texto, está sendo realizada do ponto de vista em que o indivíduo executa a fase concêntrica até a barra aproximar do seu queixo, e a fase excêntrica até quase a extensão total do cotovelos.

Quais as articulações e músculos estaticamente envolvidas na execução da remada alta com barra?

Durante a execução da remada alta com barra, além das articulações e músculos dinamicamente envolvidos na execução descritos acima, existem articulações que sofreram tendências de movimento em virtude da ação da resistência. Por exemplo, a resistência tenderá a produzir o movimento de flexão da coluna toracolombar, mas como você provavelmente já visualizou, esse movimento deverá ser evitado. Para que isso não ocorra será acionado de forma estática/isométrica os músculos que compõem o grupo muscular dos eretores da espinha, para manter a coluna toracolombar em extensão. Outra tendência de movimento é a resistência produzir um movimento de depressão escapular, ou seja, “tracionando” os ombros para baixo. Para que isso não ocorra, os músculos elevadores escapular, sendo elevador da escapula, trapézio superior e romboides, serão acionados de forma estática/isométrica para sustentar os ombros em uma posição neutra.

Mais uma tendência de movimento produzida pela resistência é sobre a articulação do quadril. Ou seja, como a resistência está na direção vertical e no sentido de cima para baixo a tendência é que se produza o movimento de flexão do quadril. Para evitar esse movimento ocorrerá uma acionamento de forma estática dos músculos extensores do quadril, sendo eles principalmente o glúteo máximo e grupo isquiotibiais.

Existe uma forma de execução, para que o indivíduo consiga focar mais o trabalho sobre deltoides e supraespinhal?

Sim, caso o indivíduo busque produzir um trabalho mais focado sobre a musculatura de deltoide e supraespinhal, é interessante que venha executar a fase concêntrica do movimento até um ângulo de aproximadamente 60° a 70° de abdução glenoumeral ou do ombro. Com isso, o indivíduo potencialmente produzirá uma mínima movimentação do ritmo escapuloumeral. Ou seja, ao executar fase concêntrica até esse pontos angulares citados acima o indivíduo conseguirá reduzir a movimentação escapular e com isso consequentemente produzindo um menor acionamento dos músculos que realizarão os movimentos de elevação e rotação lateral das escápulas. Dessa forma, essa poderá ser um estratégia interessante para os indivíduos que buscam produzir um trabalho focado sobre deltoide e supraespinhal.

Entretanto, todavia, se o objetivo do indivíduo seja realizar um trabalho mais global, ou seja, envolvendo um maior número de músculos seria interessante que o mesmo venha a executar a fase concêntrica até aproximadamente a barra chegar próxima ao seu queixo.

Seguidores, não percam a vídeo aula de hoje e visualizem as articulações e músculos envolvidos de forma dinâmica e estática na remada alta com barra.