Por que ocorre menor ativação do bíceps braquial durante a execução da rosca direta com pegada pronada?

Para conseguir entender essa questão primeiro é necessário relembrar que o bíceps braquial tem seu ponto de inserção localizado na tuberosidade do rádio e também uma parte na aponeurose do bíceps sobre o tendão flexor comum. Diante disso, quando o individuo realizado o movimento de supinação, ou seja, projetando a palma da mão para cima, ocorrerá na verdade uma movimento da articulação radioulnar. Isto é, o rádio irá “rodar” sobre a ulna, e com isso ocorrerá uma maior distância do ponto de inserção do bíceps em relação ao centro da articulação do cotovelo. Com isso, será produzido um maior braço de momento muscular, o que repercutirá em uma maior capacidade do bíceps em auxiliar no movimento de flexão do cotovelo.

Por outro lado, durante o movimento de pronação, ou seja, quando a palma da mão é projetada para baixo, ocorrerá uma diminuição da distância entre o ponto de inserção e o centro articular do cotovelo. Diante disso, o braço de momento terá uma redução e consequentemente a torque muscular. Portanto, essa alteração na capacidade de produção de torque repercutirá em uma redução na ativação muscular.

Treino_em_foco_rosca_direta_pronada_supinada

Mas ao realizar a rosca direta com a pegada pronada, qual dos flexores do cotovelo é mais acionado?

Como os outros dois flexores do cotovelo o braquial (tuberosidade do processo coronoide da ulna) e braquiorradial (face lateral do processo estiloide do rádio) tem pontos de inserção diferentes em relação ao bíceps braquial, serão mais atuantes quando o indivíduo executar a rosca direta com a pegada pronada. Ou seja, mesmo com a produção do movimento de pronação, ainda esses dois músculos, porém principalmente o braquiorradial ainda terá uma distância considerável entre seu ponto de inserção e o centro da articulação do cotovelo. Desta forma, apresentarão uma braço de momento e consequentemente um torque muscular interessante. Portanto, isto repercutirá em uma possível maior ativação do braquiorradial durante a execução da rosca direta com pegada pronada.

Então, como levar esse conhecimento para prescrição de exercícios?

Hora se o objetivo foi realizar um trabalho mais focado sobre bíceps braquial, é fundamental que o indivíduo venha a executar a rosca direta com pegada supinada. Por outro lado, se o objetivo seja produzir um trabalho mais intenso sobre por exemplo, braquial ou braquiorradial, seria interessante realizar o exercício com a pegada semipronada ou pronada.

Alunos, analisem a vídeo aula!!!