Você executa em sua rotina de treinamento, EXERCÍCIOS ESPECÍFICOS para Deltoide Posterior?
Qual EXERCÍCIO você realiza para região posterior do Deltoide?
Você conhece a VARIAÇÃO para Deltoide Posterior, realizada no banco com Halter?
Será que essa variação é EFICIENTE para trabalhar a região posterior do Deltoide?
Analisaremos hoje um exercício que tem por OBJETIVO trabalhar dinamicamente a Deltoide Posterior, lembrando que o Deltoide é FORMADO pela região ANTERIOR, MEDIAL e POSTERIOR.
Bom SEGUIDOR para realizar o exercício, precisamos de um banco para que o praticante ESTABILIZE seu corpo , quando entrar na posição para executar o exercício, posição essa que será apoiado no banco. Precisamos ter ATENÇÃO, e solicitar que mantenha as curvaturas normais e fisiológicas da COLUNA VERTEBRAL, o individuo sustentará com seu membro superior um HALTER, que sofrerá AÇÃO GRAVITACIONAL, ou seja, a gravidade estará através do HALTER “puxando” , ombro,  braço e o antebraço para BAIXO, obviamente isso terá uma repercussão sobre a ESCÁPULA, ou seja, essa carga faz com que a escapula venha a ter um certo grau de ABDUÇÃO, então será solicitado de forma ISOMÉTRICA a musculatura de TRAPÉZIO e ROMBÓIDES para estabilizar a escápula.

O TRONCO do individuo se encontrará todo apoiado sobre o MEMBRO CONTRALATERAL, então podemos entender que essa carga gerada sobre a cintura escapular, NÃO repercutirá sobre a COLUNA VERTEBRAL, pois como já mencionado anteriormente devido ao apoio sobre o membro superior contralateral. Ainda o individuo se encontra com DUAS BASES nos membros INFERIORES, uma base de apoio com o JOELHO FLEXIONADO e apoiado sobre o banco, e a outra base de apoio, com os PÉS no solo e JOELHO em SEMIFLEXÃO.

Outra aspecto que devemos ter ATENÇÃO, no momento da execução do exercício, é com a REGIÃO CERVICAL, já que na maioria das vezes esse exercício é executado de frente para um espelho, aonde o individuo tentará visualizar sua execução e consequentemente produzirá uma HIPEREXTENSÃO cervical da coluna vertebral, isso NÃO é interessante pois gera uma TENSÃO EXCESSIVA na região cervical, então um posicionamento mantendo um ALINHAMENTO da coluna vertebral é o mais indicado, ou seja, mantendo as curvaturas de lordose cervical, cifose torácica, e lordose lombar.

Após cuidar todos os aspectos citados para a realização do exercício, agora vamos analisar o movimento. O individuo realizará uma EXTENSÃO DO OMBRO com o cotovelo ESTENDIDO, basicamente esse é o movimento realizado para trabalhar a região de Deltoide Posterior. Um estratégia que podemos realizar para verificar o trabalho do Deltoide Posterior no exercício, é através da ANATOMIA PALPATÓRIA. Quando o individuo se encontra com o membro superior totalmente VERTICALIZADO, realizando a anatomia palpatória NOTAREMOS que a região do Deltoide Posterior, se encontrará totalmente sem TENSÃO, ou seja, em PONTO DE DESCANSO. Quando começa a fazer a extensão do ombro, ou seja, na FASE CONCÊNTRICA do exercício, realizando a TÉCNICA de anatomia palpatória, começaremos a notar que a região do Deltoide Posterior terá um AUMENTO DA TENSÃO, lembrando que se durante a FASE EXCÊNTRICA o individuo verticalizar o membro superior, ele entrará em ponto de descanso.
O que é ponto de descanso?
É um ponto tal, que o TORQUE na musculatura alvo se torna quase ZERO, ou zero.

Então podemos notar através da anatomia palpatória, que durante a execução do exercício, há um FORTE TRABALHO de Deltoide Posterior, e também do Tríceps Braquial.
Opa TRÍCEPS BRAQUIAL?
Sim, o TRÍCEPS Braquial  terá que trabalhar para MANTER a posição do COTOVELO em extensão, porque nessa posição a tendência gravitacional quando o individuo estende o ombro como o HALTER está sendo seguro na MÃO, é FLEXIONAR O COTOVELO, quando se “trava” glenoumeral, ou seja, quando o individuo começa a executar a fase CONCÊNTRICA a extensão do ombro, a TENDÊNCIA gravitacional é flexionar o cotovelo, então o TRÍCEPS BRAQUIAL entra em ação ISOMÉTRICA para manter a extensão do cotovelo.

Então a ideia de TREINAMENTO é estender o ombro até a linha horizontal, fazendo com que Deltoide Posterior atue, lembrando ainda que LATÍSSIMO DO DORSO também participa, porque é um EXTENSOR DO OMBRO, e o TRÍCEPS BRAQUIAL de forma isométrica,  para manter a extensão do cotovelo.
Podemos trabalhar esse exercício com o COTOVELO FLEXIONADO, e com o cotovelo ESTENDIDO, a diferença entre os dois é o BRAÇO DE ALAVANCA da resistência, que com o cotovelo flexionado É MENOR, ou seja, teremos que usar uma quilagem bem maior para ter a mesma solicitação, enquanto que com o cotovelo ESTENDIDO, colocamos no trabalho o Tríceps Braquial de forma isométrica e AUMENTAMOS o braço de alavanca da resistência para o trabalho de Deltoide Posterior.
Qual o melhor utilizar?
Depende qual o TRABALHO que você quer fazer.

Então SEGUIDOR do Treino Em Foco, não perca o Análise De Exercício de hoje, e tire as DÚVIDAS de como treinar deltoide posterior.