Muitos indivíduos não conseguem finalizar o movimento da fase concêntrica do abdominal completo em virtude de uma questão antropométrica. Ou seja, caso o indivíduo apresente uma massa maior de membros superiores em relação a membros inferiores, o mesmo potencialmente terá dificuldade para realizar com eficiência o exercício.

Links relacionados ao seu guia de estudo sobre o tema:

É comum nas academias de ginasticas visualizarmos indivíduo iniciantes, intermediários ou até mesmo avançados realizarem o exercício de abdominal completo na sua rotina de exercícios abdominais. Diante disso, existem indivíduos que conseguem realizar o exercício com extrema facilitada. Por outro lado alguns indivíduos não conseguem finalizar o movimento, ou seja, não conseguem deslocar a região lombar do solo, para aproximar o tórax das coxas. Com isso, os profissionais de Educação Física que atuam como personais trainers ou como professores nas salas de musculação, utilizam a estratégias de aplicar uma resistência sobre os pés dos indivíduos ou manipular o posicionamento dos pés dos mesmos.

É preciso entender que durante a realização do abdominal completo existe a presença de dois torques resistivos. O primeiro torque resistido, é produzido pelas massas das partes superiores do tronco e que produzirá uma resistência contra o movimento de flexão toracolombar e do quadril, ou seja, um torque contra os movimentos produzidos pelos músculos. Já o segundo torque resistivo é produzido pelas massas das partes inferiores do corpo. Diante disso, caso o indivíduo apresente uma massa maior na parte superior do tronco em relação a parte inferior do tronco, poderá ter dificuldades para finalizar o movimento do abdominal completo.  Diante disso, podemos notar que em alguns casos os indivíduos não conseguem finalizar o movimento em virtude de uma questão antropométricas, e não em virtude de falta de força nos músculos envolvidos, principalmente o iliopsoas.

Como executar de forma correta o abdominal completo e quais os músculos envolvidos?

O abdominal completo no solo é amplamente prescrito pelo personais trainers e por profissionais de Educação física que atuam com a orientação nas salas de Treinamento Resistido com Pesos (TRP). Sua aplicação pode ser visualizado no plano de treino de alguns indivíduos iniciantes e intermediários.  Para executar o exercício abdominal completo o indivíduo inicialmente deverá deitar-se em decúbito dorsal no solo, ou seja, de costas para solo. Em seguida, deverá flexionar os joelhos aproximando com isso os pés da região glútea. Por fim, os membros superiores poderão ser posicionados sobre o tórax (região do músculos peitoral) ou ainda atrás da cabeça, na região da nuca.

Realizado esse procedimento inicial o indivíduo estará pronto para executar o abdominal completo no solo. Na sequência, o indivíduo realizar na fase concêntrica os movimentos de flexão toracolombar e flexão do quadril, ou seja, aproximará o tórax dos joelhos. Em seguida, deverá realizar uma extensão do quadril e toracolombar, constituindo a fase excêntrica do movimento. Como pode ser visualizado acima no texto a contração concêntrica do exercício é constituído por “duas” fases. Ou seja, no começo da fase concêntrica o indivíduo realizará o movimento de flexão toracolombar. Nessa primeira fase do movimento ocorrerá uma forte solicitação do músculos reto abdominal em conjunto com os oblíquos interno e externo e transverso do abdome. É importante lembrar que o músculo motor principal do movimento de flexão toracolombar é o reto abdominal. Diante disso, nessa primeira fase ocorrerá uma forte solicitação do músculos reto abdominal. É preciso lembrar que quando um músculo contrai de forma dinâmica ele tenderá aproximar suas duas extremidades do centro do ventre muscular. Dessa forma, devido ao posicionamento de origem e inserção do reto abdominal além de produzir o movimento de flexão toracolombar, gerará a tendência de produzir o movimento de retroversão pélvica. Entretanto, como podemos notar esse movimento (retroversão pélvica) não ocorre. Isso não ocorrerá, em virtude do acionamento de forma isométrica dos músculos flexores do quadril, principalmente do grupo ilipsoas que além de produzir a flexão do quadril, também tem capacidade de realizar a anteversão pélvica. Dessa forma, ocorrerá uma força sobre a pelve de anteversão pélvica produzida principalmente pelo iliopsoas, promovendo assim, uma estabilização da pelve.

Já na “segunda” fase do movimento ocorrerá o contrário. Ou seja, durante o prosseguimento do movimento o indivíduo produzirá uma retirada da região lombar da coluna vertebral do contato com o solo. Essa retirada produzirá o movimento de flexão do quadril, o que acionará de forma dinâmica os músculos flexores do quadril (iliopsoas, reto femoral, sartório) para que o movimento seja produzido. Em virtude principalmente da posição de origem e inserção dos músculos que formam o grupo iliopsoas ocorrerá além da flexão de quadril uma tendência de movimento da pelve em anteversão, mas como podemos notar quando um indivíduo executa o abdominal completo no solo, o mesmo não ocorre. Essa anteversão pélvica não ocorrerá porque o músculo reto abdominal que além de flexor toracolombar é retroversão pélvica, irá ser acionado de forma isométrica para agir contra a tendência de movimento de anteversão pélvica. Produzindo assim, uma posição estável da pelve durante o exercício.

É comum durante a execução do abdominal completo visualizarmos que muitos indivíduos apresentam grande dificuldade em realizar o movimento concêntrica. Ou ainda, alguns indivíduos tampouco conseguem deslocar seu corpo do solo para realizar completar o movimento, ou seja, deslocar a região lombar do solo.

Por que muitos indivíduos não conseguem completar o movimento do abdominal completo?

Com descrito anteriormente no texto muitos indivíduos não conseguem realizar o movimento total do abdominal completo. Essa é um ocorrência muito comum de ser visualizada nas acadêmicas de ginástica. Diante disso, os profissionais de Educação física que atuam nas academias ou até mesmo os personais trainers utilizam a estratégia de fixar os membros inferiores dos indivíduos, aplicando uma sobrecarga sobre a região do pé. Muitas vezes essa estratégia surte efeito, ou seja, ao aplicar a sobrecarga na região dos pés os indivíduos conseguem realizar de forma completa o exercício abdominal em questão.

Um outra estratégia que pode-se ser utilizada para que o indivíduo consiga finalizar o movimento do abdominal completo, ou seja, deslocar a região lombar do solo é manipular o posicionamento dos membros inferiores. Portanto, o profissional de Educação física poderá solicitar que o indivíduo realize movimento de extensão da articulação dos joelhos, produzindo assim, um afastamentos dos pés da região glútea. Muitas vezes uma pequena extensão dos joelhos e consequentemente afastamento dos pés já possibilitará o indivíduo conseguir executar de forma completa o abdominal. Entretanto, para alguns indivíduos será necessário produzir uma grande extensão dos joelhos e consequentemente afastamento dos pés. Uma última estratégia que os indivíduos utilizam é produzir um movimento de pendulo com os membros superiores para final o movimento do abdominal completo.

Em muitos casos o que impossibilitam os indivíduos de conseguirem realizar de forma padronizada o exercício abdominal completo são níveis baixos de força nos músculos que compõem os grupos flexores do quadril, principalmente o grupo iliopsoas. Todavia, é possível identificar alguns indivíduos que apresentam grande desenvolvimento muscular e que potencialmente apresentam um bom nível de força do grupo iliopsoas, mas que não conseguem realizar o abdominal completo, sendo necessário a fixação do pés com uma resistência ou ainda a manipulação do posicionamento dos membros inferiores. Muitas vezes essa dificuldade está intimamente relacionado a questão antropométricas.

Mas a grande dúvida é, por que quando manipula-se a posição dos pés ou fixa-se aplicando um resistência sobre os pés os indivíduos na maioria das vezes conseguem finalizar o movimento do abdominal completo?

Para conseguir compreender porque a manipulação do posicionamento dos membros inferiores e a aplicação de uma resistência proporciona o indivíduo conseguir finalizar o movimento do abdominal completo é necessário primeiro entender que a região da pelve está estável. Já quando o indivíduo executa o exercício o mesmo estará deslocando toda a região corporal do tórax, membro superiores e cabeça (crânio) para cima em direção ao fêmur, ou seja, em direção as coxas.

Durante a fase concêntrica do movimento, aonde ocorrerá os movimento de flexão toracolombar e do quadril, o peso dos membros superiores, tórax e crânio formará um torque resistivo gravitacional que produzirá o movimento de extensão do quadril e toracolombar. Ou seja, o torque muscular produz os movimentos de flexão toracolombar e do quadril e o torque resistido gravitacional tenderá a produzir o movimento contrário da musculatura envolvida, de extensão do quadril e toracolombar. Porém, durante a realização do exercício abdominal completo além do torque resistivo produzido pelas massas da parte superior do corpo e o braço de alavanca de resistência, ocorre a presença de um torque resistivo produzido pelos membros inferiores.

Dessa forma, podemos entender que durante a execução do abdominal completo ocorrerá a presença de um torque resistivo produzido pelas massas da região superior do tronco e um torque resistivo produzido pelas massas de membros inferiores. Entretanto, uma das justificativas para a maioria dos indivíduos não conseguirem realizar a movimento completo do abdominal é que o torque resistivo produzido pelas massas do parte superior do tronco supera em muito o torque resistivo produzido pelas massas inferiores. Diante disso, o indivíduo não conseguirá finalizar o movimento do exercício.

Essas diferenças na produção de torque resistivo poderá estar intimamente relacionada ao montante de massa muscular entre membros superiores ou inferiores. Por exemplo, se o indivíduo apresentar um montante de massa muscular maior em membros superiores em relação aos membros inferiores o mesmo terá grande dificuldade ou até impossibilidade de realizar o movimento completo. Diante disso, quando aplica-se um resistência nos pés do indivíduo para executar o abdominal completo ou manipula-se o posicionamento dos membros inferiores ocorrerá um aumento do torque resistivo para membros inferiores, e isso potencialmente proporcionará ao mesmo (individuo) conseguir finalizar o exercício abdominal completo.

Seguidores, não percam a vídeo aula de hoje e a análise do professor João Moura sobre o abdominal completo.