Você realiza exercícios ESPECÍFICOS para a musculatura de OBLÍQUOS?
Você já realizou o exercício de ROTAÇÃO do tronco com barra para OBLÍQUOS?

Será que esse exercício é EFICIENTE para a musculatura de oblíquos?
E ainda, é um exercício SEGURO?

Hoje ANALISAREMOS um exercício, que, em partes, profissionais de EDUCAÇÃO FÍSICA, estão corretos em analisá-lo e até prescrevê-lo. Porém, se ANALISARMOS por outro lado, é um exercício bastante CONTRAINDICADO, o exercício a priori é visto para a musculatura de OBLÍQUOS, então quando estamos falando de exercícios para oblíquos devemos realizar o movimento de INCLINAÇÃO LATERAL DA COLUNA VERTEBRAL, para atuar sobre a musculatura de oblíquos e obviamente sempre contra uma resistência, ou podemos trabalhar com MOVIMENTOS ROTATÓRIOS, para que esse movimento acione tanto oblíquo interno e externo.

Para a execução do exercício de ROTAÇÃO do tronco para oblíquos, o indivíduo deverá se encontrar SENTADO em um banco, MANTENDO as curvaturas naturais e fisiológicas da coluna vertebral, posteriormente irá projetar a BARRA sobre a nuca , na mesma posição, como se estivesse realizando um AGACHAMENTO LIVRE. No momento da execução do exercício o indivíduo realizará um movimento de ROTAÇÃO TORACOLOMBAR DA COLUNA VERTEBRAL, a região cervical não realiza movimento rotatório.

Porém, um ponto que devemos observar é para que lado a QUILAGEM está oferecendo RESISTÊNCIA, ou seja, quando trabalhamos com as QUILAGENS colocadas na barra, essa quilagem está sob AÇÃO GRAVITACIONAL para baixo, por mais quilagem que se venha adicionar para realizar o exercício a RESISTÊNCIA sempre estará para baixo. Então temos que entender que a RESISTÊNCIA é VERTICAL e está sob AÇÃO GRAVITACIONAL, essa resistência colocada na barra, não está oferecendo NENHUMA RESISTÊNCIA contra o MOVIMENTO ROTATÓRIO, ou seja, por mais que eu aumente a quilagem na barra, o movimento é ROTATÓRIO, e a resistência é para BAIXO. Então podemos entender que nesse exercício, não estamos gerando uma QUILAGEM RESISTIVA, contra o movimento rotatório, podemos concluir que estamos perdendo EFICIÊNCIA.

O SEGUNDO ponto que devemos analisar, é como se encontra a COLUNA VERTEBRAL durante o exercício, lembrando que já foi comentado no texto que o indivíduo está MANTENDO as curvaturas naturais e fisiológicas da coluna vertebral. Temos que entender que no momento da execução do exercício, na ROTAÇÃO TORACOLOMBAR da coluna vertebral, as VÉRTEBRAS sob disco intervertebral estão rodando, ou seja, uma VÉRTEBRA SUPERIOR está RODANDO sobre uma VÉRTEBRA INFERIOR, lembrando ainda que a interface entre dois corpos vertebrais é um DISCO INTERVERTEBRAL. Nesse exercício, esse disco intervertebral está recebendo uma CARGA AXIAL LONGITUDINAL, e ainda sobre esse disco estamos realizando um MOVIMENTO ROTATÓRIO.

Em um livro de 1978, com o título de MUSCULAÇÃO GUIA DO TÉCNICO de Georges Lambert, ex treinador de fisiculturismo Francês, já colocava explicações sobre o exercício em questão, e CARACTERIZOU como um exercício de BAIXISSIMA EFICIÊNCIA para o treinamento. Outro detalhe que o autor coloca é que esse exercício tem o EFEITO SACA-ROLHA, sobre os discos intervertebrais.

Qual o efeito SACA-ROLHA?

Jogamos uma carga COMPRESSIVA AXIAL, e executamos sobre esse DISCO INTERVERTEBRAL o movimento saca-rolha, ou seja, fazemos uma COMPRESSÃO de CORPO VERTEBRAL sobre disco intervertebral e rodamos.
O autor coloca que esse exercício é de baixa eficiência e MUITO INSEGURO, devido ao já comentado efeito SACA-ROLHA.

Então SEGUIDOR do TREINO EM FOCO, se você não conhece o exercício de ROTAÇÃO DO TRONCO com barra para OBLÍQUOS, e quer saber se é eficiente e seguro, não perca o TEF ANÁLISE DE EXERCÍCIO de hoje.