O texto a seguir é do prof. Dr. João Moura sobre a importância de mensurar as Dobras Cutâneas (DC) durante o período de avaliação para um iniciante na academia. Lembramos que estes textos serão semanais escritos pelo prof João Moura e pelo prof. Jefferson Souza.

Também iremos postar semanalmente até dois textos escritos pelos nossos seguidores. Para abrir os trabalhos o texto do Prof. Dr. João Moura.

#treinoemFOCOnaveia.

PORQUE MEDIMOS DOBRAS CUTÂNEAS NAS AVALIAÇÕES FÍSICAS EM ACADEMIAS?

 Pense anatomicamente na sua região abdominal. Nesta você tem a parede muscular abdominal sustentando seus órgãos, a partir desta deslocando-se externamente você tem gordura (tecido gorduroso subcutâneo) e por fim a pele. Assim, temos: músculo + gordura + pele. Medir Dobras Cutâneas (DC) é medir a espessura (grossura) de sua camada de gordura corporal mais pele fazendo efetivamente uma dobra em um ponto específico do seu corpo. A quantidade de pele contabilizada nesta DC é mínima e pode ser considerada desprezível, ficamos então com valores significativos de gordura em um ponto localizado do corpo chamado de DC.

Temos diferentes pontos de medida de gordura corporal (espessura de gordura). Existem pontos onde o acúmulo de gordura é menor, como por exemplo a região dos ombros, e outros pontos onde o acúmulo local de gordura é maior, como na região abaixo do umbigo (infrabdominal) e anterior de coxas (particularmente em mulheres). Assim as DC medidas em uma mesma pessoa não terão o mesmo “tamanho”, haja vista que, a distribuição de gordura pelo corpo se modifica de local para local anatômico, como comentado.

Você emagrecendo ou engordando irá alterar o “tamanho” (espessura) destas dobras cutâneas independe do ponto de medida ter maior ou menor quantidade de gordura, ou ainda, isso também é independente da pessoa apresentar uma distribuição de gordura incomum, como por exemplo, maior gordura na região anterior do braço (DC biciptal) do que na região abdominal (DC abdominal).

Revisando, emagrecendo ou engordando você aumentará ou diminuirá a espessura da DC, respectivamente. A partir deste entendimento você poderá compreender qual a lógica das medidas de DC na avaliação física inicial a um programa de exercício físico ou para o monitoramento da evolução da resposta ao treinamento. O educador físico mensura estas dobras cutâneas em diferentes pontos corporais, vamos imaginar medidas na região triciptal (posterior do braço), peitoral (próximo ao músculo peitoral maior), abdominal (na região abdominal um pouco abaixo do umbigo) e coxa medial (região anterior da coxa) e realiza um somatório dos valores obtendo o número, por exemplo, de 50mm de espessura de DC. Ao emagrecer as medidas do somatório de DC irão diminuir mesmo que, por motivos hormonais ou genéticos, você tenha diminuído mais gordura corporal nas coxas que no abdome.

Aplicações deste conhecimento:

– Se após um período de inatividade física você apresente um somatório de DC de 50mm isso representará que, mesmo após um período parado, você não apresenta ganhos na gordura corporal subcutânea, isto é, você não engordou apesar de “ficar parado por um tempo”.

– após uma dieta anti-fisiológica mas “marketera” apresentada por uma famosa revista, coisa do tipo “seque (incinere) 5kg em uma semana”, você percebe que foram 3kg a menos na balança com a nova dieta. Baseado neste dado você conclui que a nova dieta é muito boa pois foram perdidos 3kg em somente uma semana. Ao medir suas DC e ao realizar o somatório destas você quantifica 52,3mm, o que isso significa? Podemos afirmar que sua nova dieta é péssima, pois você aumentou a sua quantidade de gordura corporal nos pontos mensurados em 2,3mm (50,0mm + 2,3mm = 52,3mm), isto é, você engordou. E o pior, seu peso a menos na balança pode ser por perda severa de massa muscular e desidratação associada a uma dieta radical sem embasamento fisiológico.

– você faz caminhada duas vezes por semana e isso faz com que você se sinta muito melhor do que quando não realizava nenhum tipo de exercício físico. Todavia, toda a vez que você inicia a musculação você observa um ganho de peso no primeiro e segundo mês de treinamento, logo vem o pensamento “nossa, a musculação me dá muita fome e eu acabo engordando!”. Para verificar a veracidade desta afirmativa, o profissional de Educação Física da sua academia mede as suas DC e verifica um valor de 50,0mm. Baseado neste dado podemos afirmar que os ganhos de peso que você percebe ao iniciar a musculação não são de gordura corporal e sim de maior hidratação celular associado a algum grau de hipertrofia muscular. Você não engordou.

– com o inicio de um programa de exercício físico conduzido por um personal trainer e sabendo que  agora esta gastando mais energia na sua semana em função dos treinamentos, você tem a feliz ideia de começar a comer aquele doce favorito (pudim) na sobremesa do almoço e jantar, “afinal agora eu posso, estou gastando mais energia com os treinos e preciso repor”. Após um mês de treinamento o seu personal trainer realiza as medidas de dobras cutâneas e verifica que o somatório das mesmas atingiu 55,6 mm. O que isso significa? Sim, pare de comer a sobremesa pois mesmo com exercícios esse pudim tem um aporte calórico muito alto e você esta engordando.

Acredito que as aplicações práticas descritas acima demonstram a aplicabilidade das medidas de DC nas avaliações realizadas para monitoramento do treinamento. São medidas importantes que relatam diretamente o teor de gordura corporal, independentemente das alterações de peso corporal.

Então, não relute em realizar as medidas de DC, estas são fundamentais.