PullDown com barra ou corda – Tem diferença na atividade eletromiográfica?

Please log in or register to like posts.
Vídeo

PullDown com corda pode ser uma estratégia para variar o estimulo para latíssimo do dorso

O exercício de PullDown é amplamente realizado nas salas de Treinamento Resistido com Pesos quando se tem como objetivo principalmente treinar o latíssimo do dorso ou grande dorsal. Assim, é fase concêntrica do exercício é constituída para execução de uma extensão do ombro, que envolve o latíssimo do dorso, deltoide posterior e tríceps cabeça longa. Já durante a fase excêntrica, a resistência (placas de peso) produzem o movimento de flexão glenoumeral, portanto, para controlar esse movimento ocorre uma contração excêntrica dos mesmos músculos que realizam a extensão.

No entanto, uma das principais dúvidas é que se ao realizar o exercício com uma corda ao invés da barra, modificará a ação muscular.

Treino_em_foco_pulldown_barra_corda_eletromiografia

Então, ocorre diferença na atividade eletromiográfica ao realizar o PullDown com corda ou barra reta na polia?

Para tentar sanar essa dúvida realizamos um experimento, onde o modelo excetuou três repetições com barra reta e com corda. Um ponto importante a salientar, é que foi mantida a mesma cadência, amplitude, quilagem. Assim, foi analisado o peitoral fibras inferiores, latíssimo do dorso, deltoide posterior e reto abdominal.

Observou-se que na corda se proporcionou 65% maior atividade eletromiográfica para latíssimo do dorso.

Treino_em_foco_pulldown_barra_corda_eletromiografia

 Para o tríceps a execução com a corda produziu 56% maior atividade eletromiográfica.

Treino_em_foco_pulldown_barra_corda_eletromiografia

Por sua vez, o deltoide posterior teve uma atividade eletromiográfica 70% maior na execução com a corda.

Treino_em_foco_pulldown_barra_corda_eletromiografia

O que pode ter levado a esses resultados?

Uma justificativa pode ser em virtude que a execução com a corda tem uma maior grau de liberdade em relação a barra. Assim, como a literatura já vem demonstrando exercícios com maior instabilidade proporcionam maior recrutamento de unidades motoras, o que repercute em maior atividade eletromiográfica.

E ai, quais as aplicações?

Por exemplo se o cliente executa o PullDown com barra e o personal troque a execução para a corda, mesmo mantendo a mesma quilagem poderá esperar uma maior atividade eletromiográfica.

Já se o objetivo seja aumentar a carga de esforço no exercício PullDown, mas o personal trainer não queira elevar a quilagem ou por exemplo manipular a amplitude de movimento, talvez uma estratégia seja prescrever a execução com a corda. Entretanto, caso o cliente não se adpte com a corda e o objetivo seja aumentar a carga de esforço uma estratégia poderá ser o aumento da quilagem e manipulação da amplitude.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *