Na nossa última vídeo aula sobre eletromiografia, analisamos o comportamento do sinal eletromiográfico ao realizar diferentes variações no exercício de apoio no solo ou Push- up.

Qual o comportamento do sinal eletromiográfico do peitoral maior, deltoide anterior e tríceps braquial?

Relembrando o professor João Moura realizou duas repetições das três variações do exercício apoio ou Push-Up, sendo elas:

– Apoio no solo clássico = com mãos e pés em contato com o solo;

– Apoio inclinado = com as mãos sobre uma cadeira e os pés em contato com o solo;

– Apoio declinado = com as mãos em contato com o solo e pés sobre uma cadeira.

Assim, durante a execução destas variações realizamos o monitoramento eletromiográfico do peitoral maior fibras esternais, deltoide anterior e tríceps cabeça medial.

Quais foram os resultados?

Peitoral maior: a ativação eletromiográfico teve uma tendência a ser maior quando se realizou o apoio inclinado, e ativação menor quando executado declinado. No entanto, se fosse monitorado o feixe clavicular do peitoral talvez seria possível a observação de uma aumento na ativação muscular ao realizar da forma declinada (pés elevados);

Deltoide anterior: ativação eletromiográfica foi maior quando se realizou o apoio declinado. Porém, a menor ativação foi ao realizar com a inclinação;

Tríceps cabeça medial: ativação eletromiográfica foi maior quando se realizou o apoio declinado, e novamente a menor ativação foi na variação de apoio inclinado.

No entanto, nesta vídeo aula analisamos o sinal eletromiográfico de músculos que tem uma ação estabilizadora no exercício de apoio ou Push-up. Assim, foi realizado o registro do sinal eletromiográfico do reto abdominal e reto femoral.

Mas, por que o reto femoral e reto abdominal são estabilizadores no apoio ou Push-up?

Inicialmente, um ponto importante a salientar, é que independente da variação de apoio ou Push-Up quando o indivíduo está na posição a gravidade sempre produzirá a tendência de projetar esse seguimento corporal para baixo (pelve) realizando uma hiperextensão. Além disso, a força gravitacional também terá a tendência de projetar a coluna vertebral par abaixo, produzindo uma hiperextensão da coluna vertebral.

Portanto, o reto femoral terá que contrair de forma isométrica para evitar a tendência de hiperextensão da pelve, pois o mesmo é um flexor do quadril. Por outro lado, o reto abdominal irá contrair para evitar a tendência de uma hiperextensão da coluna vertebral, pois o mesmo é um flexor da colune vertebral.

Qual foi o comportamento do sinal eletromiográfico desses músculos estabilizadores durante a execução das variações do apoio ou Push-Up?

De uma forma geral, para o reto abdominal o sinal eletromiográfico subindo quando se partiu apoio inclinado para o apoio ou Push-up declinado. Portanto, o Push –up declinado produz um sinal eletromiográfico maior.

Já o reto femoral manteve uma magnitude de sinal eletromiográfico constante ao longo das variações aplicadas nesta vídeo aula.

Então, qual a aplicação prática desta vídeo aula?

Portanto, como demonstrado para os músculos acionados de forma dinâmica quando se partiu da posição do corpo inclinado para a horizontalizada a magnitude do sinal eletromiográfico aumentou. E partindo da posição horizontalizada para a declinada a ativação aumentou também. Este comportamento também ocorreu para o reto abdominal.

Assim, o personal trainer deverá ter em mente que tanto os músculos motores primários (peitoral, deltoide e tríceps) terão aumento na exigência, como também músculos que são estabilizadores. Desta forma antes de progredir, por exemplo da variação inclinada para horizontalizada, ou da horizontalizada para a declinada é necessário também que se realize um trabalho de fortalecimento dos músculos que irão realizar a estabilização.