Existe relação entre atividade eletromiográfica e hipertrofia muscular?

De uma forma direta não se tem nenhum estudo que tenha conseguido mensurar uma relação direta entre atividade eletromiográfica de um determinado músculo ou grupo muscular e aumento do volume muscular do mesmo.

No entanto, isso não quer dizer que tenha ou não uma relação. Entretanto, é possível observar alguns estudos que apresentam alguns indícios que um músculo que sobre uma maior ativação em uma sessão poderá ter maiores ganhos hipertróficos. Ou seja, Caterisano et al., (2000) observou que uma maior atividade eletromiográfica de glúteo máximo ocorreu quando se realizar o agachamento com uma profundidade maior. Já recentemente, Kubo et al., (2018) observou maiores ganhos hipertróficos para glúteo máximo quando se realizou o agachamento mais afundo.

Para panturrilha Marcolli et al.  (2017) notou que variar a posição dos pés produzia uma atividade eletromiográfica diferenciada para o gastrocnêmio lateral e medial. Ou seja ao realizar uma rotação externa do quadril e com isso projetar os pés para fora notou-se uma maior atividade eletromiográfica para gastrocnêmio medial. Por outro lado, ao realiza ruma rotação interna do quadril e projetar os pés para dentro, observou-se maior atividade eletromiográfica para gastrocnêmio lateral. Posteriormente, Nunes et al., (2020) em um estudo crônico registrou maiores ganhos hipertróficos para gastrocnêmio lateral e medial ao realizar exercício de panturrilha com rotação externa e interna do quadril, respectivamente.

Portanto, nesses quatro estudos citados é possível observar uma “sinalização” de que sim pode ocorrer uma relação entre atividade eletromiográfica e hipertrofia muscular.

Então, qual aplicação prática deste cenário?

Para o indivíduo que buscar maximizar os ganhos hipertróficos em um determinado grupo muscular ou músculo parece ser interessante que venha a executar exercício, e técnica que proporcione ao longo das séries uma maior atividade eletromiográfica. Porém, somente proporcionar uma maior atividade eletromiografica constante não é suficiente, é apenas o start para que ocorra os ganhos desejados.

Assim, é primordial que a carga de treino, descanso, alimentação, entre outros fatores estejam sendo manipulados de forma positiva para que esse músculo mais estressado durante as sessões possa ter maiores ganhos hipertróficos.

Alunos, analisem a vídeo aula.