Extensão do ombro na polia – Variações na posição

Please log in or register to like posts.
Vídeo

No exercício de extensão de ombro na polia, dependendo da posição do corpo ocorrerá modificação da imensidade de esforço muscular no final da fase concêntrica.

Qual o ponto de maior e menor tensão muscular durante a execução do exercício de extensão do ombro na polia?

Esta variação de exercício para latíssimo do dorso e os sinergista da extensão do ombro (redondo maior, tríceps cabeça longa e deltoide posterior) com o quadril flexionado e consequentemente o tronco inclinado a frente não é muito aplicado nas salas de treinamento resistido com pesos. Porém, é um variação bem interessante para trabalhar os extensores do ombro.

Para entender qual o ponto de maior e menor tensão muscular durante a execução é necessário relembrar que quando se trabalha com cabo a resistência sempre estará na direção e sentido do mesmo. Assim, para entender o maior e menor tensão muscular é necessário identificar a distância perpendicular entre a projeção do eixo articular em movimento, que neste caso é a articulação glenoumeral (ombro) e a projeção da resistência que está no cabo.

Diante disso, no início do movimento, ou seja, início da fase concêntrica ou final da excêntrica onde o aluno/cliente estará com uma flexão do ombro (realizada pela resistência) já se produzirá um braço de alavanca, e com isso uma torque resistivo e muscular. Já quando o aluno/cliente começar a realizar a fase concêntrica, ou seja a extensão do ombro, o braço de alavanca aumentará e assim torque resistido e muscular também. Porém, quando ele (aluno/cliente) atingir o ângulo de 90° de extensão do ombro será o ponto de maior distância entre as projeções, e assim o maior braço de alavanca e consequentemente torque resistivo e muscular também. Entretanto, passando dos 90° de extensão o braço de alavanca e consequentemente torque resistido e muscular começará a diminuir. Portanto, no final da fase concêntrica (extensão do ombro) ocorrerá a menor tensão muscular em virtude do braço de alavanca e torque resistivo menor.

E se o personal trainer posicionar a polia mais para cima, qual será o comportamento?

Com o aluno/cliente na mesma posição no início do movimento já terá uma braço de alavanca maior em comparação a posição do polia mais embaixo. Assim, em comparação a variação anterior (citada acima) o torque resistivo e muscular será maior nesta segunda variação. Já quando ao aluno/cliente começar a executar a fase concêntrica o braço de alavanca aumentará ainda mais e com isso o torque resistivo e muscular também. Entretanto, como na variação anterior quando o aluno/cliente atingir o ângulo de 90° de extensão do ombro se ocorrerá novamente o maior braço de alavanca e torque resistivo e muscular.

Por fim, como na variação citada acima, quando ultrapassar os 90° de extensão do ombro, o braço de alavanca diminuirá e com isso o torque resistivo e muscular também. Entretanto, ao contrário da variação anterior, quando se atingir a extensão do ombro total o braço de alavanca será muito menor. Assim, no final da fase concêntrica a tensão muscular será muito menor em relação a primeira variação.

E se o aluno/cliente realizar essa segunda variação da extensão do ombro na polia em pé, ocorrerá alteração?

Ao contrario dessa segunda variação ao realiza o exercício em pé, no início da fase concêntrica do movimento o braço de alavanca será menor. Porém, logo quando aluno/cliente começar a realizar a extensão do ombro o braço de alavanca e com isso o torque resistivo e muscular aumentará d força muito grande. Já quando ele atingir novamente o ângulo de 90° de extensão do ombro e com isso alinhar o membro superior com o tronco se produzirá um aumento ainda maior o braço de alavanca e com isso o torque resistivo e muscular.

Por outro lado, da mesma forma como a primeira variação e a segunda com o tronco inclinado, ao passar do ângulo de 90° o braço de alavanca da resistência começará a reduzir-se e com isso o torque resistivo e muscular também. Entretanto, um ponto importante a salientar é que na finalização da fase concêntrica do movimento nesta segunda variação em pé no final da fase concêntrica se terá o braço de alavanca ainda grande e com isso uma tensão muscular maior do que as outros duas formas.

E do ponto de vista prático o que isso poderá ajudar?

Imaginando que o personal trainer esteja trabalhando com um aluno/cliente que seja iniciante e que irá começar a realizar o exercícios de extensão do ombro na polia uma estratégia interessante seria aplicar a segunda variação com o tronco inclinando. Com isso, pensando na relação força comprimento do músculo, ocorrerá um forte exigência muscular quando o músculos está na sua melhor relação força comprimento. Entretanto, quando músculo começar a encurtar de forma forte o braço de alavanca e com isso o troque resistido irá reduzir um pouco. Esse cenário provavelmente ajudará o aluno/cliente a conseguir executar de forma mais segura a técnica de movimento.

Por outro lado, para um aluno/cliente que seja avançado no treinamento e que se vise produzir um estresse maior no treino, a segunda variação em pé parece ser mais interessante. Pois com isso, pensando novamente na relação força comprimento quando o músculos estiver encurtado, pensando no latíssimo do dorso, será o ponto de maior braço de alavanca e com isso torque resistivo. Esse cenário possivelmente produzirá a necessidade de um maior acionamento das unidades motoras e com isso um maior estresse muscular produzido.

Seguidores, não percam a vídeo aula de hoje.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *