Cinesiologia Vetorial

Análise Cinesiológica dos Flexores do Cotovelo

Please log in or register to like posts.

No vídeo de hoje da série Cinesiologia Vetorial, analisaremos um aspecto diferente do músculo flexor do Cotovelo, ou seja, analisaremos a ação dos músculos Bíceps Braquial, em diferentes ângulos de flexão do cotovelo.

 

Qual o posicionamento anatômico dos músculos flexores do Cotovelo?

O músculos Bíceps Braquial e Braquial, estão posicionados na face anterior do seguimento Braço, porém o Braquial, está em uma região mais interna, ou seja, é o músculo interno dos flexores do cotovelo e está abaixo do Bíceps Braquial. Já o Bíceps Braquial por sua vez, é um músculo superficial e estético, e de fácil identificação.

O Braquiorradial, que o outro músculo que compõem os flexores do cotovelo, está posicionado anatomicamente na face anterolatero do Antebraço, porém todos são flexores do cotovelo, ou seja, produzem o movimento de flexão de cotovelo quando se contraem.

Quais são os ângulos que será realizado a análise vetorial de ação do flexor do cotovelo, Bíceps Braquial?

Os ângulos utilizados para a análise serão de 180° de flexão de cotovelo, realizaremos a analise vetorial também com o ângulo de 90° da flexão do cotovelo, e por fim analisaremos o trabalho muscular do Bíceps Braquial em um ângulo menor que 90°.

flexores_cotovelo_músculos

Como realizar a análise cinesiologica vetorial, do músculo Bíceps Braquial que compõem os   flexores do cotovelo?

Seguindo o passo a passo descrito e apresentado na primeira vídeo aula, você deverá primeiramente identificar o músculo a ser analisado, e na sequência isolá-lo. Em seguida você deverá identificar as extremidades do Bíceps Braquial que é um dos flexores do cotovelo, ou seja, identificar a origem e inserção do Bíceps Braquial. Pois será nessa extremidade da inserção, que deverá ser traçada a linha pontilhada, que representará o eixo longitudinal do seguimento ósseo que será movimentado.

É importante você identificar para traçar o vetor resultante de tração do Bíceps Braquial, a direção e o sentido das fibras do músculo, que se encontra próxima ao tendão de inserção, ou seja, identificar o ângulo do tendão que está fixado no tecido ósseo, e ai sim, projetar o vetor resultante de tração acompanhando a direção e o sentido do tendão do Bíceps Braquial.

Hoje analisaremos somente ação vetorial de tração do músculo Bíceps Braquial dos flexores do cotovelo, em diferentes ângulos de flexão do cotovelo.

ângulos_análise_vetorial

Como posicionar o vetor resultante do Bíceps Braquial? E qual a ação muscular do Bíceps Braquial, em um ângulo de aproximadamente 180° de flexão do Cotovelo?

Como descrito acima no texto, o vetor resultante de tração deverá acompanhar a direção e o sentido do tendão de inserção do Bíceps Braquial, junto ao tecido ósseo. Então o vetor resultante de tração do Bíceps Braquial com um ângulo de 180° de flexão do cotovelo, terá um direção praticamente verticalizada, com um sentido de baixo para cima.

Realizando agora a decomposição vetorial, do vetor resultante de tração do Bíceps Braquial a 180°, deverá ser traçado um componente vetorial perpendicular, e outro componente vetorial paralelo ao eixo longitudinal da peça óssea que se move. Perceberemos nesse ângulo de análise para o Bíceps Braquial, que o componente vetorial que está paralelo ao eixo longitudinal é coaptador da articulação do cotovelo, e o componente vetorial perpendicular que efetivamente produzirá o movimento de flexão do cotovelo.

bíceps_180°_análise_vetorial

Qual o comportamento do vetor resultante de tração, e dos componentes vetoriais do Bíceps Braquial, no ângulo de 90° de flexão de cotovelo?

Já no ângulo de 90° de flexão do cotovelo, o Bíceps Braquial apresenta um vetor resultante de tração, na direção com uma leve inclinação obliqua, o seu sentido é de baixo para cima, e da direita para a esquerda. Realizando a decomposição vetorial do vetor resultante, um componente vetorial deverá ser traçado perpendicular ao eixo longitudinal da peça óssea, que é o vetor que efetivamente produzirá tração.

Já o componente vetorial ou vetor paralelo ao eixo longitudinal, será de uma magnitude menor comparado com o vetor paralelo com o ângulo de aproximadamente 180°, porém a ainda o componente vetorial paralelo ao eixo longitudinal no ângulo analisado agora de 90°, terá um comportamento coaptador da articulação do cotovelo, porque ele impulsiona todo o seguimento do antebraço, contra a articulação do cotovelo, e com isso encaixando as faces ósseas, e produzindo uma força coaptadora.

Um ponto importante para frisar é que a magnitude do componente vetorial paralelo ao eixo longitudinal. Quando o ângulo é de 180°,esse componente vetorial  é bem maior, que a magnitude do componente vetorial a 90° de flexão do cotovelo, ou seja, o componente vetorial paralelo do Bíceps Braquial ao eixo longitudinal, que tem capacidade de coaptação da articulação do cotovelo, descresse muito em relação a sua capacidade coaptadora comparada ao ângulo de 180°.

flexão_cotovelo_ângulo_90°

Qual o comportamento vetorial do Bíceps Braquial, no ângulo menor que 90° de flexão do cotovelo?

Posicionado o vetor resultante de tração do Bíceps Braquial, em um ângulo menor de 90° de flexão de cotovelo, você notará que ele se encontra na direção obliqua, nos sentido de baixo para cima, e da direita para esquerda.

Realizando a decomposição vetorial do vetor resultante de tração, teremos um componente vetorial perpendicular ao eixo longitudinal. Já o outro componente vetorial paralelo ao eixo longitudinal, você notará que ele está em um sentido diferente das análises nos outros ângulos.

O componente vetorial que está perpendicular ao eixo longitudinal , é efetivamente o vetor que produz o movimento de flexão do cotovelo, porém nesse ângulo de analise menor que 90° o componente vetorial paralelo ao eixo longitudinal, que em 90° de flexão de cotovelo tinha uma pequena capacidade de estabilizar a articulação do cotovelo, ou como no ângulo de 180° uma grande capacidade de estabilizar , agora no ângulo menor que 90° apresenta uma capacidade de desestabilizar a articulação do cotovelo, ou seja, no ângulo menor que 90° parte da força de tração produzida pelo Bíceps Braquial é utilizada como decoptador da articulação do cotovelo.

bíceps_braquial_menor_90°

Lembrando que existem ligamentos, e principalmente outros músculos que iram realizar co-contração muscular e estabilizar a articulação do cotovelo. Mas isolando a ação vetorial do Bíceps Braquial em ângulos menores de 90°, parte da ação vetorial do Bíceps Braquial, se torna de decoaptação e não coaptação.

 

Qual a informação nova do vídeo de hoje?

Quando alteramos os ângulos de análise cinesiológica vetorial, a força de geração de torque do Bíceps Braquial se altera em função dos ângulos, que é representada pelo componente vetorial perpendicular ao eixo longitudinal.

Já o outro componente vetorial paralelo ao eixo longitudinal, por vezes é forte coaptador, por vezes é fraco coaptador, e por vezes também passa a ser decoaptador da articulação do cotovelo.

Então seguidor não perca a vídeo aula de hoje, e tire todas suas dúvidas dobre a ação vetorial do Bíceps Braquial um dos músculos flexores do cotovelo, em diferentes ângulos de flexão do cotovelo.

Quais movimentos os músculos Romboides fazem?
Análise Cinesiológica do músculo Braquiorradial

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *