Na elevação frontal com barra ou halteres no momento em que o individuo atingir os 90° de flexão de ombro será produzida o maior torque resistivo e com isso a maior tensão sobre os músculos acionados de forma dinâmica (deltoide anterior, peitoral maior fibras claviculares, coracobraquial e bíceps cabeça longa). Porém, se o individuo passar dos 90° de flexão de ombro ou produzir flexões de ombro menores de 90° o torque resistivo sobre o músculos acionados de forma dinâmica será reduzido e com isso a tensão muscular.

Links relacionados ao seu guia da estudo sobre o tema:

Qual o angulo de maior intensidade durante a realização do exercício de elevação frontal?

Durante a execução do exercício de elevação frontal no momento que o individuo alcançar o ponto da Amplitude De Movimento (ADM)  em que seus membros superiores ficarem paralelos ao solo, este  será o momento de maior intensidade de trabalho produzido pelos músculos acionados dinamicamente, ou seja, do deltoide principalmente as fibras anteriores, peitoral maior fibras claviculares coracobraquial e bíceps cabeça longa.

A seguir no texto serão descritos os pontos de menor intensidade de trabalho sobre os músculos mencionados acima.

Quais os pontos de ADM na execução da elevação frontal que ocorre a menor intensidade sobre os músculos acionados dinamicamente?

Na execução da elevação frontal no momento em que o individuo atingir os pontos de ADM em que a barra ou halteres aproxime-se das coxas ou da parte superior da cabeça, estes serão os pontos de execução onde os músculos envolvidos dinamicamente (deltoide anterior, peitoral fibras claviculares, coracobraquial e bíceps braquial cabeça longa) produzirão menor tensão. Na sequência, no texto serão descritos porque ocorre pontos da ADM em que ocorre maior e menor tensão sobre os músculos dinamicamente envolvidos.

Por que ocorrerá pontos da ADM na elevação frontal que ocorre maior e menor tensão sobre deltoide anterior, peitoral fibras claviculares?

Para que você consiga entender porque ocorre essa diferença na tensão produzida sobre os músculos acionados de forma dinâmica durante a elevação frontal, é necessário relembrar os conceitos de braço de alavanca e torque resistivo.

O braço de alavanca da resistência ou do momento se dá em virtude da distancia perpendicular, que forma um ângulo de 90° entre a articulação de movimento, que é denominada de eixo e a resistência aplicada durante o exercício, ou seja, a barra, anilha ou halteres. Em resumo, você pode entender que o braço de alavanca é a distância perpendicular entre o eixo de movimento e o ponto de aplicação da resistência. Dessa forma, durante a execução da elevação frontal com halteres ou barra, o braço de alavanca resistência ou momento é formado pela distância entre a articulação glenoumeral e o halteres ou barra.

Já o torque resistido é uma força rotacional que tenderá a produzir movimento em uma determinada articulação. A intensidade do torque resistivo é dependente da magnitude da resistência aplicada é do tamanho do braço de alavanca da resistência ou momento mais a força gravitacional. Isto é, a magnitude  do torque resistivo que será  produzido sobre um articulação especifica dependerá da massa da resistência e da distancia dessa resistência até o eixo, ou seja, do braço de alavanca.
Diante disso, no exercício de elevação frontal o torque resistido dependerá da massa da resistência que está sendo sustentada pelas mãos do individuo multiplicado pela distancia em que a mesma estará da articulação (braço de alavanca) mais a força gravitacional (9,81m/s²). Com isso seguidor, você já pode entender que quanto maior a distancia da resistência para a articulação glenoumeral maior será o torque resistivo produzido contra musculatura atuante.

Dessa forma, durante a elevação frontal, quando o individuo chega ao ponto da ADM em que os membros superiores encontram-se paralelos ao solo, ou seja, por volta de 90° de flexão dos ombros, esse será o ponto do maior braço de alavanca da resistência e conseqüentemente do torque resistivo e por fim será o ponto em que será necessário maior recrutamento de unidades motoras dos músculos acionados dinamicamente. Portanto, em resumo, podemos entender que a maior ou menor intensidade de trabalho muscular nesse exercício dependerá das alterações dos braços de alavancas e consequentemente dos torques resistivos.

Para um indivíduo inciantes na pratica do treinamento resistido com pesos ou musculação quais os ângulos mais indicados para realizar a elevação frontal?

Um individuo inciante na pratica do Treinamento Resistivo com Pesos (TRP) muitas vezes veem de um longo período de sedentarismo e com isso apresentam baixos níveis de força muscular. No incio de uma programação de treinamento para um individuo sedentário, independente do seus objetivos a longo prazo, o personal trainer ou professor de educação física que trabalho em salas de TRP deverá buscar desenvolver a coordenação motora e propriocepção desse individuo. Para atingir esse objetivo não é interessante que se produza um elevado estresse mecânico ou metabólico (bioenergético) nesse inciante, e sim que se objetivo que o mesmo venha a executar todas as repetições da serie com uma técnica adequada, buscando estimular a aprendizagem motora. Diante disso, muitos inciantes no TRP sentirão extrema dificuldade em realizar os exercícios se o personal trainer ou professor de educação física venha a trabalhar o exercício nas ADM onde se produz os maiores torques resistivos, levando a uma fadiga precoce ou perda precoce da técnica de execução. Provavelmente,  essa ocorrência pode estar intimamente relacionado aos baixos níveis de força muscular.

Dessa forma, por exemplo se o personal trainer ou professor de educação física tenha prescrito no planejamento de treino desse inciante o exercício de elevação frontal seria interessante que o mesmo realizasse no INICIO das sessões de treino a fase concêntrica ate um ponto antes de atingir o ângulo de 90° de flexão glenoumeral/ombros. Essa estratégia possivelmente permitirá um alivio na carga tensional e metabólica nesse inciante, podendo assim, permitir que o mesmo venha a consegui conduzir de forma adequada as repetições da série.  É preciso lembrar que essa é uma estratégia, obviamente existem inúmeras estratégias para reduzir a carga de esforço do exercício para um iniciante.

Já para um individuo que busca com a pratica do TRP ou musculação o desenvolvimento do aumento do volume muscular/hipertrofia muscular, quais os melhores ângulos para executar a elevação frontal?

Os indivíduos que visam o aumento do volume muscular ou hipertrofia, deverão buscar produzir um elevado estresse tanto tensional quanto metabólico durante sua sessão de treino, para potencializar a geração de microlesões teciduais (catabolismo proteico) que é o star para o início dos ajustes hipetroficos. Diante disso, se o indivíduo em seu planejamento de treino para hipertrofia muscular dos deltoide anterior realize o exercício de elevação frontal, seria interessante que o mesmo venha a trabalhar em ADM que se produza um torque resistivo significativo. Dessa forma, seria interessante que o mesmo venha a executar a fase concêntrica do movimento até o ângulo de 90° de flexão de ombro, onde se produz o maior braço de alavanca da resistência, e realize a fase excêntrica até aproximadamente 70° ou 65° de flexão de ombro.

Com essa estratégia, proposta acima pelo o Treino em Foco possivelmente o individuo conseguirá aumentar ,principalmente, o estresse tensional sobre a musculatura alvo. Podendo , assim, potencializar o processo de microlesão tecidual e estresse mecânico e ativação das moléculas de sinalização da síntese de proteínas. Obviamente, o estresse metabólico, que também tem capacidade de produzir microlesões teciduais e com isso sinalização para o processo hipertrofico, dependerá do tempo de tensão, ou seja, do numero de repetições, tempo de intervalo produzido pelo individuo.

Seguidores, não percam a vídeo aula de hoje e saibam quais os pontos de maior e menor tensão muscular durante a elevação frontal.