Pode-se realizar a leitura dos valores de Vo2máximo e Vo2pico de diferentes formas.

Alguns alunos/cliente antes de ingressar na prática do treinamento resistido com pesos ou musculação, ou até mesmo aqueles que já praticam realizam um teste ergoespirométrico na maioria das vezes executado a pedido de um cardiologista. Na maioria das vezes o objetivo além de identificar o comportamento cardíaco durante o esforço físico, tanto pode-se obter os valores de Vo2máximo e Vo2 pico (a forma de identificar ambas variáveis já foi apresentada na primeira vídeo aula).

Diante disso, o aluno/cliente leva os resultado do seu exame par ao profissional al de educação física fazer a análise do mesmo. Assim, seria interessante que esse profissional viesse a analisar esses resultados e também tentar explicar para esse aluno/cliente qual a sua condições cardiorrespiratória atual. Assim, saber ler os valores de Vo2máximo e Vo2pico é fundamental para o profissional de educação física.

Mas então, como ler os valores de Vo2máximo e Vo2pico?

A literatura tem demonstrado que a forma mais precisa de ler os valores de Vo2máximo e Vo2pico é através de mililitros por quilograma por minuto (ml/kg/min). Primeiramente para compreender melhor essa medida é necessário entender que o Vo2máx representa o consumo máximo de oxigênio. Por sua vez, esse consumo máximo representa a capacidade de absorver, transportar (sistema cardiovascular) e utilizar (dentro das mitocôndrias) o gás oxigênio.

Assim, podemos imaginar que um determinado aluno/cliente realizou um teste ergoespirométrico e obteve um valor de Vo2máximo de 40 ml/kg/min. Isto quer dizer que esse aluno/cliente tem a capacidade máxima para absorver, transportar e utilizar 40 mililitros de oxigênio por quilo corporal a cada um minuto de esforço.

Portanto, quando o profissional de educação física for realizar a leitura do valor do Vo2máximo seria interessante ler primeiro o valor dos mililitros, depois das quilogramas que na maioria da vezes será fixa (um quilo) e depois os minutos que também na maioria da vezes é fixo (um minuto). No entanto, não é comum, mas também pode-se realizar a leitura de trás par afrente. Utilizando esta forma a leitura ficaria, em um padrão temporal de um minuto para cada um quilo corporal o aluno/cliente consume no máximo 40 mililitros de oxigênio. Por fim ainda, o profissional poderá realizar uma terceira forma de leitura sendo para cada um quilo corporal consome no máximo 40 mililitros de oxigênio para cada um minuto.

Mas qual a melhor forma de leitura?

Dentre essas quatro formas demonstrada no texto e no vídeo, não existem uma melhor forma de leitura. No entanto, a mais comum em livros e em artigos é ler que o aluno/cliente consume no máximo 40 mililitros de oxigênio para cada um quilo corporal em um minuto. Porém, essa leitura dependerá muito como o profissional se sente mais confortável e habituado para realiza-la. Um ponto importante é que busque padronizar e sistematizar a forma de leitura para também não confundir o aluno/cliente.

Seguidores, não percam a vídeo aula de hoje.