Durante a execução do abdominal com rotação para oblíquos na polia ocorrerá o acionamento dinâmica dos músculos oblíquos interno e externo fibras mais anteriores, semiespinhais, multifidios e rotadores. Já de forma estática/isométrica serão acionados os músculos romboides maior e menor, trapézio principalmente as fibras medias, peitoral maior, deltoide anterior, deltoide posterior, grupo tríceps braquial e ancôneo, para evitar as tendências de mementos produzidos pela resistência.

Como executar de forma correta o abdominal com rotação para oblíquos na polia?

Inicialmente o indivíduo deverá posicionar a polia do aparelho crossover a uma altura aproximada da articulação do seu cotovelo e na sequencia posicionar-se lateralmente em relação a polia. Em seguida, deverá produzir um afastamento lateral dos pés aproximadamente da largura dos quadris ou dos ombros, com uma semiflexão dos joelhos. Na sequência, o indivíduo deverá posicionar as mãos sobre a “pegada” que deverá estar fixada ao cabo do aparelho. Realizada a “pegada” o indivíduo deverá produzir o movimento de flexão glenoumeral ou do ombro até aproximadamente 90°, mantendo os cotovelos estendidos. Por fim, é necessário que mantenha-se as curvaturas naturais e fisiológicas da coluna vertebral preservadas.

Após a realização desses posicionamentos descritos acima, o indivíduo estará apto a iniciar a execução do abdominal com rotação para oblíquos na polia. Para isso, ele (individuo) deverá executar o movimento de rotação toracolombar da coluna vertebral. Ou seja, caso o indivíduo esteja posicionado com hemisfério corporal direito próximo ao aparelho, a fase concêntrica do movimento será executada com uma rotação em direção ao lado esquerdo. Já a fase excêntrica do movimento deverá ser executada com um rotação em direção ao lado esquerdo. A amplitude tanto da fase concêntrica como excêntrica dependerá da objetivo do cliente.

A seguir no texto serão descritos as articulações e músculos envolvidos de forma dinâmica e estática/isométrica durante a execução do abdominal com rotação para oblíquos na polia. Entretanto, para obter um bom entendimento desse comportamento é necessário que você saibam em qual direção e sentido encontra-se a resistência.

Em qual direção e sentido encontra-se a resistência durante a execução do exercícios abdominal com rotação para oblíquos na polia?

Em exercícios com aparelhos que são compostos por polias/roldanas e cabos em comparação com exercícios com pesos livres, a resistência terá um comportamento diferente. Relembrando, quando o indivíduo executa um exercício com pesos livres a resistência sempre terá uma direção vertical e um sentido de cima para baixo. Já durante a realização de exercícios em maquinas (compostas por polias/roldanas e cabos) a resistência (que se dará pelo peso das placas + a força gravitacional (9,81 m/s²)) também estará na direção vertical e no sentido de cima para baixo. Entretanto, em virtude da presença das polias e do cabo a característica da resistência será modificada. Ou seja, as roldanas irão alterar a direção e sentido da resistência, pois as mesmas (polias ou roldanas) transferirão através dos cabos a resistência para a extremidade distal do cabo, isto é a extremidade em que o indivíduo colocará o implemento para realizar a pegada e executar o exercício. Assim, deixando a resistência na direção e no sentido do cabo.

Diante disso, no abdominal com rotação para oblíquos na polia a resistência (peso das placas + força gravitacional) estará na direção e sentido do cabo, isto é na direção horizontal, pois o cabo encontra-se praticamente na altura da articulação do cotovelo, e no sentido, caso o indivíduo esteja com o hemisfério corporal direito próximo a polia, da esquerda para direita. Por outro lado se o indivíduo estiver com o hemisfério corporal esquerdo próximo a polia, o sentido da resistência estará da direita para a esquerda.

Portador agora desse conhecimento da direção e do sentido da resistência, podemos passar para análise das articulações e músculos dinamicamente e estaticamente envolvidos na abdominal com rotação para oblíquos na polia.

Quais as articulações e músculos envolvidos de forma dinâmica na execução do abdominal com rotação para oblíquos na polia?

Como descrito anteriormente no texto, durante a fase concêntrica e excêntrica da execução, o indivíduo deverá executar os movimentos de rotação toracolombar. Diante disso, as articulações dinamicamente envolvidas serão as da coluna vertebral. Ou seja, uma articulação da coluna vertebral é formada por um corpo vertebral superior e um inferior e um disco intervertebral entre os dois. Dessa forma, podemos entender que ocorrerá o envolvimento de várias articulações da coluna vertebral, principalmente as que estão localizadas na região toracolombar.  Assim, os músculos envolvidos de forma dinâmica caso o indivíduo esteja vencendo a resistência (fase concêntrica) realizando o movimento de rotação para o lado esquerdo serão os músculos, oblíquo externo da região direita do abdome fibras mais anteriores, oblíquo interno do abdome esquerdo fibras mais anteriores, semiespinhal direito, multifidios direitos e rotadores direitos. Já durante a fase excêntrica, esses mesmos músculos serão acionados para realizar o freio do movimento, assim, ocorrerá uma contração excêntrica dos músculos descritos acima.

Por outro lado, se o indivíduo estiver com o hemisfério corporal esquerdo próximo a polia e realize durante a fase concêntrica do movimento de rotação lateral para o lado direito, os músculos oblíquos externo do abdome esquerdo fibras mais anteriores, obliquo interno do abdome direito fibras mais anteriores, semiespinhal esquerdo, multifidios esquerdos e rotadores esquerdos. Já durante a fase excêntrica, esses músculos serão acionados em contração excêntrica para frear o movimento.

Entretanto, além das articulações e músculos dinamicamente envolvidos, na execução do abdominal com rotação para oblíquos na polia existem articulações e músculos envolvidos de forma estática/isométrica.

Quais as articulações e músculos envolvidos estaticamente durante a execução do abdominal com rotação para oblíquos na polia?

Devido a sua direção e sentido a resistência tenderá a produzir movimento em outras articulações. Analisando a cintura escapular a resistência tenderá a produzir o movimento de adução da escapula contralateral ao lado do corpo que está próximo a polia, durante a fase concêntrica do movimento e uma abdução durante a fase excêntrica da execução. Entretanto, essas movimentações escapulares não deverá ocorrer. Para isso, deverá ocorrer uma contração isométrica dos músculos romboides maior e menor e trapézio principalmente as fibras medias, assim impedindo que o cabo produza o movimento de abdução escapular da escápula contrária ao hemisfério corporal que está próximo ao cabo, ou para o lado em que está sendo realizado a fase concêntrica.

Outra tendência que o cabo produzirá é o movimento de adução transversal do ombro contrário ao lado que está próximo a polia. Assim, para evitar que esse movimento ocorra deverá ser realizado uma contração isométrica de todo o deltoide, principalmente deltoide posterior para evitar essa tendência de movimento.  Agora analisando a articulação do ombro do membro superior que está próxima ao cabo ocorrerá a tendência de movimento de abdução glenoumeral. Para evitar esse movimento, ocorrerá o acionamento isométrica dos músculos peitoral maior, deltoide anterior. Analisando agora a articulação do cotovelo o cabo tenderá a produzir o movimento de flexão também do membro superior contralateral ao lado do cabo. Diante disso, para evitar a ocorrência desse movimento será acionado de forma estática/isométrica os grupo tríceps braquial e ancôneo, pois os mesmos são extensores do cotovelo.

O abdominal com rotação para oblíquos na polia é seguro para a coluna vertebral?

Sim, ao executar esse exercício para trabalhar principalmente os músculos oblíquos interno e externo o indivíduo não projetará carga axial advinda da resistência sobre a coluna vertebral. A única carga axial que será produzida é a da força gravitacional e da ação produzida pela contração dos músculos envolvidos de forma dinâmica no exercício. A resistência não produzirá carga axial porque a mesma encontra-se transversalmente em relação as articulações de movimento.

A minimização da produção de carga axial sobre a coluna vertebral durante os exercícios é se suma importância para evitar uma sobrecarga demasiada sobre os discos intervertebrais e assim, podemos reduzir o risco de ocorrência de pinçamentos discais e potenciais surgimentos de hérnias discais.

Seguidores, não percam a vídeo aula de hoje e identifiquem as articulações e músculos envolvidos de forma dinâmica e estática durante o abdominal com rotação para oblíquos na polia.

Laboratorista Kayus César.